Notícias

Japão não ofereceu julgamento justo à Carlos Ghosn, diz advogado

Carlos Ghosn | Reprodução/WSJ

O advogado François Zimeray disse que o Japão não poderia manter o ex-presidente da Nissan e Renaut porque não conseguiu provar as acusações.

Um dos advogados do ex-presidente da Nissan, Carlos Ghosn, disse na última sexta-feira ao governo do Japão que as autoridades locais não conseguiram providenciar um julgamento justo que respeitasse os direitos internacionais de um cidadão, informou a agência de notícias Reuters.

François Zimeray, advogado francês de Ghosn, disse que os promotores japoneses deveriam provar a culpa de Ghosn, e não que Ghosn fosse obrigado a provar sua inocência.

“É uma obrigação da acusação provar a culpa e não ao acusado provar sua inocência [de Ghosn]”, disse Zimeray em comunicado.

O ministro da Justiça do Japão, Masako Mori, lançou uma rara e violenta retirada pública de Ghosn, ex-presidente da Nissan e Renault, que virou fugitivo depois de criticar o sistema legal do país por permitir “chance zero” de um julgamento justo, enquanto procurava justificar sua fuga para o Líbano no final do mês passado.

Declaração de Ghosn

“Não sou mais refém de um sistema judicial japonês parcial, onde prevalece a presunção de culpa, a discriminação é generalizada e os direitos humanos não são respeitados”, disse Ghosn um dia após chegar ao Líbano.

RELACIONADO
Japão condena fuga de Carlos Ghosn

Da Agência Reuters / Tradução e edição do Mundo-Nipo.com (MN).