Notícias

Balança comercial do Japão tem primeiro superávit em cinco anos

Foto: Stockvault

A margem pela qual as exportações superam as importações registrou excedente de US$ 5,8 bilhões no ano fiscal de 2015.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

A balança comercial do Japão, ou a margem pela qual as exportações superam as importações, registrou superávit de aproximadamente 5,8 bilhões de dólares no ano fiscal de 2015, o primeiro saldo positivo em cinco anos, informou nesta quinta-feira (12) o governo do país, indicando que o resultado reflete um acentuado declínio no custo das importações devido, em grande parte, aos preços mais baixos do petróleo.

No ano fiscal de 2015, encerrado em março deste ano, as exportações diminuíram 3,3% na comparação com o exercício fiscal anterior, enquanto as importações despencaram 11,8%, na mesma base de comparação, de acordo com o relatório preliminar do Ministério da Economia.

Segundo o Ministério, o resultado fraco das importações reflete, principalmente, a queda acentuada nos preços do petróleo. Mediante a isso, o custo das importações com gás natural e liquefeito despencou 41,4% no período. Ainda assim, as importações de petróleo representaram quase 20% do total gasto pelo país no exterior, mesmo reduzindo 38% em relação ao exercício de 2014.

O Japão, terceira potência econômica mundial, foi um país, sobretudo, exportador durante décadas, mas essa tendência mudou os últimos anos, após o país se ver obrigado a aumentar as importações de recursos energéticos na sequência do blecaute das centrais nucleares devido ao acidente no complexo atômico de Fukushima, em março 2011.

Dados do Ministério das Finanças mostraram que o superávit em conta corrente do Japão mais que dobrou no ano fiscal de 2015, atingindo 17,98 trilhões de ienes (US$ 166 bilhões). O montante é maior já registrado desde o ano fiscal de 2010.

Fonte: Jornal Financeiro Nikkei. 

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •