Notícias

Água contaminada em Fukushima precisa de tratamento urgente, diz AIEA

Arquivo/Kyodo

A operadora da usina de Fukushima admitiu que mentiu por anos, dizendo que o material radioativo da água fora removido.

O acúmulo de água contaminada por radioatividade no danificado complexo nuclear de Fukushima, no nordeste do Japão, precisa ser tratado com urgência, alertou a Agência Internacional de Energia Atômica (AIEA) na terça-feira (13).

O pedido, feito após uma visita de especialistas da AIEA ao local, veio depois que a proprietária da usina, a Tokyo Electric Power (Tepco), admitiu que a água tratada ali ainda contém material radioativo, apesar de passar anos dizendo que fora removido.

A decisão de se livrar da água “deve ser tomada urgentemente, engajando todos os envolvidos, para garantir a sustentabilidade das atividades de desativação”, disse a AIEA depois que sua equipe passou cerca de uma semana revisando os esforços de limpeza.

Em seu comunicado, a agência disse que lidar com a água é “crucial” para a limpeza depois que três reatores sofreram derretimentos na sequência de explosões provocadas pela perda de energia e das providências para o resfriamento depois que águas invadiram o complexo nuclear em 11 de março de 2011. Tais águas foram levadas por um gigantesco tsunami gerado após o potente terremoto ocorrido no mesmo dia, cuja potência quase devastou o nordeste japonês e gerou a pior crise nuclear mundial desde a ocorrida em Chernobyl em 1986.

A confissão da Tepco pode acabar com suas chances de liberar a água no oceano, uma medida que a agência nuclear reguladora do Japão disse ser o método preferencial e seguro, mas ao qual pescadores locais se opõem.

Ainda há cerca de 1 milhão de toneladas de água armazenado na usina, suficiente para cerca de 500 piscinas olímpicas, com níveis detectáveis de partículas radioativas potencialmente danosas, disse a Tepco ao governo no dia 1o de outubro.

Mundo-Nipo
Com a Agência Reuters