Notícias

Japan Airlines lançará empresa aérea de baixo custo em 2020

Aviões da Japan Airlines no Aeroporto Internacional de Tóquio (Foto: Flickr/Kentaro Iemoto)

A nova aérea oferecerá voos para Ásia, Europa e Américas. Operações devem iniciar em meados de 2020.

A Japan Airlines (JAL), uma das duas maiores companhias aéreas do Japão, anunciou que lançará uma subsidiária de baixo custo para oferecer voos de média a longa distância, com o objetivo de explorar a crescente demanda asiática por viagens aéreas econômicas.

A nova aérea será baseada no Aeroporto Internacional de Narita e oferecerá voos para a Ásia, Europa e Américas, afirmou a Japan Airlines em comunicado nesta segunda-feira.

Ainda sem nome, a nova aérea planeja começar a atuar entre o segundo e terceiro trimestre de 2020 com duas aeronaves Boeing 787-8 de grande porte.

A Japan Airlines investirá de 10 bilhões a 20 bilhões de ienes (91,44 milhões a 182,88 milhões de dólares) no negócio, com o objetivo de obter rentabilidade dentro de três anos a partir do lançamento, disse a empresa.

Os voos de baixo custo têm demorado para decolar no Japão, que é dominado pelas operadoras de serviço completo Japan Airlines e ANA Holdings e possui uma sofisticada rede ferroviária de alta velocidade. Mas com um número crescente de viajantes da Ásia optando por viagens aéreas, as duas companhias aéreas japonesas estão procurando expandir suas ofertas de baixo custo.

“As companhias aéreas de serviço completo normalmente têm altos custos, mas no Japão isso é especialmente verdade”, disse Will Horton, analista sênior da consultoria de pesquisa CAPA Center for Aviation. “O Japão precisa de novas plataformas para atrair visitantes estrangeiros. Eles não são como os japoneses que querem voar com uma onerosa companhia aérea japonesa de serviço completo”.

Outras companhias também estão buscando aproveitar o crescente status do Japão como destino turístico, com a AirAsia Japan sendo relançada e companhias aéreas como Hong Kong Express e Scoot, de Cingapura, acrescentando voos para o Japão.

Com Agência Reuters