Notícias

Importações japonesas de produtos da China caem ao pior nível desde 1986

Porto de Tóquio | ©Kyodo

As importações de produtos da China despencaram 47,1% em fevereiro por conta do coronavírus, maior queda já registrada em 11 anos.

As importações do Japão relativas à mercadorias da China em fevereiro caíram em cerca da metade em 11 anos, marcando a maior queda desde 1986, um resultado amplamente influenciado pela epidemia do novo coronavírus (Covid-19), que interrompeu a atividade econômica na segunda maior economia do mundo, mostraram dados do governo japonês nesta quarta-feira (18).

De acordo com o relatório preliminar do Ministério das Finanças do Japão, as importações sofreram forte retração de 47,1% em fevereiro na comparação com o mesmo mês do ano anterior, para 673,35 bilhões de ienes (US$ 6,28 bilhões), o menor desde os 600,62 bilhões de ienes registrados em fevereiro de 2009, com o vírus causador de pneumonia originário de Wuhan, no centro da China, forçando o fechamento de muitas bases de produção no país.

Trata-se do maior declínio desde o recuo de 47,3% registrado em agosto de 1986, quando a China implementou medidas para desacelerar sua economia de superaquecimento após a reforma econômica e a política de portas abertas iniciada em 1978.

As importações de vestuário, celulares e computadores da China foram particularmente afetadas pelo surto do vírus, com queda de 65,7%, 45,3% e 37,2%, respectivamente. Com isso, as exportações do Japão para a China caíram 0,4%, para 1,14 trilhão de ienes.

Como resultado, o Japão registrou seu maior superávit comercial com a China, registrando 462,73 bilhões de ienes, a primeira tinta preta vista desde março de 2018, quando registrou superávit de 89,59 bilhões de ienes.

“A infecção por coronavírus [epidemia] afetou a economia chinesa e afetou particularmente suas exportações”, disse uma autoridade do ministério a repórteres. “Vamos acompanhar cuidadosamente as tendências do comércio com a China em março”, segundo noticiou a Kyodo News.

Taro Saito, pesquisador executivo do NLI Research Institute, disse que as atividades econômicas na China estão “desacelerando rapidamente” desde o início deste ano devido à epidemia de vírus, mas sua influência nas exportações do Japão para a China ainda não apareceu claramente. em fevereiro devido a contratos firmados antes do surto.

Ele acrescentou que as exportações japonesas de produtos relacionados à TI, tais como peças eletrônicas de semicondutores, aumentaram em todo o mundo no mês do relatório após a queda da demanda global.

Balança comercial japonesa relação ao mundo

Em relação à balança comercial global, o Japão registrou um superávit de 1,11 trilhão de ienes em fevereiro, o primeiro saldo positivo em quatro meses, com um forte declínio nas importações do país em meio à epidemia de coronavírus.

No mês de referência, as importações totais caíram 14,0% em relação ao ano anterior, para 5,21 trilhões de ienes, registrando recuo pelo décimo mês consecutivo, enquanto as exportações recuaram 1,0%, para 6,32 trilhões de ienes, caindo pelo 15º mês consecutivo, informou o ministério.

Balança comercial japonesa em relação à Ásia

Em toda a Ásia, incluindo a China, o superávit comercial do Japão atingiu um recorde de 1,23 trilhão de ienes, com as importações diminuindo 24,0%, para 2,14 trilhões de ienes, prejudicadas pela falta de importações da China. Já  as exportações aumentaram 1,7%, para 3,37 trilhões de ienes.

Balança comercial japonesa em relação aos EUA

O superávit comercial do Japão com os Estados Unidos subiu 1,2% em relação a fevereiro do ano anterior, para 626,77 bilhões de ienes, marcando o segundo aumento mensal consecutivo, auxiliado pelo declínio nas importações de itens como motores de aeronaves, autopeças e grãos.

As importações e exportações do Japão para os Estados Unidos caíram, apesar de um acordo comercial bilateral que entrou em vigor em 1º de janeiro, descartando ou diminuindo as tarifas de certos itens.

Balança comercial japonesa em relação à União Europeia

Com a União Europeia, excluindo o Reino Unido, que deixou o bloco regional em 31 de janeiro, o Japão registrou um déficit comercial de 18,33 bilhões de ienes, marcando o oitavo mês consecutivo de saldo negativo.

Previsão para março

Quanto às perspectivas a partir de março, Saito disse que as importações e exportações do Japão com o mundo inteiro devem “cair significativamente” devido à interrupção das cadeias de suprimentos causada pela pandemia do vírus.

“O centro da infecção pelo vírus está mudando da China para os países ocidentais, então o volume total do comércio do Japão provavelmente diminuirá drasticamente após março”, disse Saito.

Mundo-Nipo (MN)
Fonte: Kyodo News.