Notícias

Construtora admite fraude em licitações do trem Maglev no Japão

Trem Maglev | Foto: Kyodo

A companhia Obayashi confessou a fraude porque está assegurada por uma lei semelhante à delação premiada.

Beneficiada por uma lei japonesa semelhante à delação premiada no Brasil, uma grande companhia de construção do Japão admitiu o seu envolvimento em um escândalo referente aos projetos de implantação do Maglev, um super trem de levitação magnética que é capaz de superar os 500 quilômetros por hora, informou nesta terça-feira (19) a emissora pública ‘NHK’.

Fontes afirmaram a emissora estatal japonesa que a Obayashi Corporation admitiu à Comissão de Comércio Justo sua participação na manipulação de licitações. A construtora foi beneficiada por um sistema que reduz ou isenta as empresas de punição, caso elas apresentem declarações voluntárias de suas práticas de má fé, um procedimento judicial semelhante à delação premiada no Brasil.

Autoridades do Escritório da Promotoria Pública de Tóquio, e da comissão, realizaram buscas na matriz da Obayashi e de outra construtora, a Taisei Corporation, na terça-feira. Elas também fizeram buscas nas matrizes da Kajima e da Shimizu Corporation, na segunda-feira.

As quatro grandes empresas são acusadas de determinar quem ganharia os projetos para o trem de alta velocidade Maglev, da Companhia Ferroviária JR Central, antes das licitações – o esquema vai contra a lei antimonopólio do Japão. Até o momento, o consórcio das quatro empresas obteve quase 70% das licitações do projeto.

A comissão reduz punições entre 30% e até 100% para as cinco primeiras empresas que a comissão reconhecer que declararam violações de maneira voluntária.

A primeira empresa a fazer uma declaração perante a comissão antes de uma investigação ser lançada, pode se isentar de ser acusada criminalmente, com forme noticiou a ‘NHK’.

Trem Maglev
Os trens ‘Maglev’ funcionam através de um sistema de levitação magnética que usa motores lineares instalados perto dos trilhos.

Com o campo magnético gerado, o trem é elevado em até 10 centímetros sobre os trilhos, eliminando o contato com o mesmo e tendo apenas o ar como elemento de atrito, o que permite que o trem ganhe mais velocidade, podendo superar os 500 quilômetros por hora.

A Central Japan Railway pretende inaugurar sua primeira linha comercial entre as cidades de Tóquio e Nagoya em 2027. No trecho, que se estenderá por 286 quilômetros, o Maglev levará apenas 40 minutos para percorrê-lo, no lugar das quase duas horas que o serviço de alta velocidade ‘Shinkansen’ (trem bala) leva para percorrer o mesmo trajeto, detalhou a agência ‘Kyodo’.

O projeto gigante, estimado em nove trilhões de ienes, equivalente a US$ 80 bilhões, viu várias empresas concorrentes de contratos que vão desde trabalhos de tunelamento até estações de construção.

Do Mundo-Nipo
Fontes: NHK World News | Kyodo News.