Notícias

Japão rejeita recurso e confirma prisão perpétua de ex-militar dos EUA

População de Okinawa protesta contra base militar dos EUA na ilha | Arquivo / Getty

O ex-militar americano estuprou e assassinou uma jovem na ilha de Okinawa em abril de 2016.

O Tribunal Superior de Fukuoka, no sul do Japão, rejeitou um recurso apresentado pelo ex-militar dos Estados Unidos, Kenneth Franklin Shinzato, de 34 anos, confirmando a prisão perpétua do mesmo pelo estupro e assassinato de uma jovem na ilha sulina de Okinawa, em abril de 2016.

O caso gerou indignação na população local e fortaleceu a oposição ao excessivo desdobramento militar na região, devido aos riscos para a segurança causados pela proximidade de bases aéreas de áreas povoadas e por causa dos crimes cometidos pelos membros das Forças Armadas americanas.

Shinzato, membro da Infantaria da Marinha dos EUA entre 2007 e 2014, e que na época do crime trabalhava como civil na base de Kadena, em Okinawa, admitiu ter estuprado e abandonado inconsciente a jovem Rina Shimabukuro, de 20 anos, mas negou que quisesse assassiná-la.

Segundo a acusação, o ex-militar esfaqueou Rina no pescoço e bateu em sua cabeça com uma barra de ferro para que não resistisse, mas o acusado alegou durante o julgamento que “não tinha a intenção de causar tal resultado”.

No entanto, na sentença confirmada na última quinta-feira (20), o juiz Masamichi Okubo alegou que Shinzato “sabia que estava realizando um ato perigoso no qual uma pessoa poderia acabar morta”, por isso confirmou a decisão que foi anunciada por um tribunal do distrito de Naha em 1º de dezembro do ano passado.

A ilha de Okinawa abriga mais da metade dos cerca de 48 mil soldados que os EUA têm no Japão, assim como 70% das instalações militares americanas no país asiático.

Com Agência EFE.