Notícias

Japonesa vai à polícia após comprar ‘kit de fabricar dólar’ que não funciona

Foto: Shutterstock

A mulher deu R$ 368 mil a golpistas camaroneses por um produto que prometia transformar papel branco em dólar.

Uma mulher de 47 anos procurou a polícia de Osaka, no oeste do Japão, alegando ter sido vítima de um golpe aplicado por estrangeiros, supostamente camaroneses. Segundo ela, os golpistas lhe venderam um “kit de fabricar dinheiro que não funciona”, informou nesta sexta-feira (22) o site ‘Alternativa.jp’, citando como fonte a emissora japonesa ‘TV Asahi’.

De acordo com a publicação, a mulher disse que as negociações com os camaroneses foram feitas entre fevereiro e maio deste ano. Ela relatou que pagou 12 milhões de ienes, aproximadamente R$ 368 mil, por um produto químico supostamente capaz de transformar papel em cédulas de dólar, para tanto, bastava aplicar a suposta química sobre um papel branco.

A mulher relatou ainda que os golpistas teriam feito uma demonstração da eficácia do produto. “O papel branco se transformou em dólar. Levei ao banco e era verdadeiro”, disse ela em um depoimento à TV Asahi, conforme noticiou a ‘Alternativa.jp’.

Acredita-se que os “vendedores” usaram cédulas reais durante a encenação e assim conseguiram ludibriar a japonesa, que comprou o suposto produto falsificador de dólares pela bagatela de 12 milhões de ienes.

Ainda de acordo com a ‘Alternativa.jp’, os camaroneses não se encontram mais no Japão, mas a ‘TV Asahi conseguiu falar com um deles por telefone.

“Não estou mentindo. Sem brincadeira. Transforma em dólar”, disse o camaronês se referindo ao “produto falsificador de dólar”.

A polícia de Osaka disse à emissora japonesa que está analisando o inusitado caso. Contudo, resta saber se a vítima será indiciada por falsificação, já que estaria passando dólares falsos caso o produto funcionasse.

(Foto: Shutterstock)

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.