Países onde a aposentadoria supera o salário da ativa; veja ranking

Japão detém uma das piores aposentadorias do mundo desenvolvido, enquanto croatas têm a melhor entre os 35 países membros da OCDE.
Pessoas andando em Toquio Foto Reproducao Bloomberg 900x600 min
Foto: Reprodução / Bloomberg

A porcentagem da aposentadoria em relação ao salário da ativa chega à incríveis 129% na Croácia, o maior nível entre os 35 países membros da Organização de Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OCDE), e outras nações, analisados em um estudo divulgado recentemente no site do World Economic Forum.

O estudo da OCDE mostra ainda que os pensionistas da Holanda e Turquia recebem mais de 100% do salário da ativa quando se aposentam. Pontualmente, as pensões dos holandeses e turcos representam 101% e 102%, respectivamente, dos salários.

Os dados, compilados como parte do relatório da OCDE intitulado Pensions at a Glance, também revelam que a Índia (99%), Portugal (95%) e a Itália (93%) têm taxas de aposentadoria muito competitivas.

A aposentadoria mais baixa do mundo desenvolvido
No outro extremo da escala, os pensionistas no Reino Unido sofrem o pior cenário, recebendo apenas 29% do salário da ativa. Confrontando com a média da OCDE de 63% e com a média na União Europeia de 71%, realmente é um percentual muito baixo.

Logo atrás do Reino Unido está o Japão, onde os aposentados recebem somente 40% do salário da ativa.

Outros dados interessantes
Nos Estados Unidos, a média é de 49% dos salários, enquanto na China, que abriga mais de 1,4 bilhão de pessoas, a taxa é de 83%, mostram dados da OCDE.

Na América do Sul
Entre os países sul-americanos, a Argentina têm taxas de aposentadoria muito competitivas, chegando a 91%, enquanto os brasileiros recebem 76% do salário da ativa quando se aposentam.

Problema com o crescimento da expectativa de vida
Enquanto grande parte dos números parece bastante generoso, eles mascaram uma série de preocupações mais graves.

O financiamento dos sistemas de aposentadoria é um problema global. “A melhoria dos cuidados de saúde nos países desenvolvidos e em grande parte do mundo em desenvolvimento significa que as pessoas vivem por mais tempo e, portanto, muito mais anos do que os sistemas foram projetados para lidar”, explica a OCDE.

De acordo com dados do Banco Mundial, os aposentados nos seis países com os maiores sistemas de pensões vivem entre oito e 11 anos a mais. No Japão, a discrepância é ainda maior, de 16 anos.

Segundo um recente relatório do Fórum Econômico Mundial, os sistemas de pensões, nos EUA, Reino Unido, Japão, Holanda, Canadá e Austrália, também foram descritos como uma “bomba- relógio global”. A idade de aposentadoria nesses países é de 65 – com exceção do Japão, aos 60 anos.

Juntos, esses seis países devem criar um déficit de US $ 224 trilhões até 2050, “enfraquecendo os rendimentos das gerações futuras e levando o mundo industrializado para a maior crise de pensões da história”, diz o relatório.

Se a China e a Índia forem adicionadas às estatísticas, o déficit atingirá US$ 400 trilhões, o que equivale a cerca de cinco vezes o tamanho da atual economia global, diz o relatório.

Para Michael Drexler, chefe de sistemas financeiros e de infraestrutura no World Economic Forum, “o aumento antecipado da longevidade e o envelhecimento resultante das populações é o equivalente financeiro das mudanças climáticas”.

Do Mundo-Nipo
Confira, na íntegra, o relatório 2018 da OCDE sobre aposentadoria.
Veja os dados da OCDE sobre porcentagem da aposentadoria em relação ao salário da ativa.

Total
74
Shares
Previous Article
Sonda Hayabusa2 pousa no asteroide Ryugu Distribuicao HANDOUT

Sonda japonesa pousa no asteroide Ryugu

Next Article
Sony Xperia1 Reproducao

Sony Xperia 1, o primeiro celular com ‘tela de cinema’

Related Posts