Notícias

Japão analisa métodos para descarte de água radioativa em Fukushima

Arquivo/Kyodo

A dúvida é se o descarte será feito no mar ou pelo ar. Mais de 1,2 milhão de tonelada de água contaminada encontra-se em tanques na usina de Fukushima.

Um painel de especialistas formado pelo governo do Japão declarou que está analisando o método que será feito o descarte de água radioativa na danificada usina nuclear em Fukushima. Segundo os especialistas, as conversações para o descarte estão centradas em duas opções: nos oceanos e no ar.

Criado pelo Ministério da Economia, Comércio e Indústria,o painel apresentou o esboço da proposta inicial na terça-feira (24).

A água utilizada para resfriar o combustível nuclear derretido no acidente de março de 2011 é tratada para que a maior parte das substâncias radioativas seja retirada, mas algumas partículas, como o trítio, não podem ser removidas.

Ao todo, 1,2 milhão de tonelada de água contaminada encontra-se em tanques no complexo da usina, com a quantidade aumentando 170 toneladas por dia.

Uma das possibilidades para o despejo é misturar a água contaminada com água do mar para reduzir os níveis de radiação antes de descartar a mistura no mar.

Descarte pelo ar

A outra alternativa seria aquecer a água contaminada até cerca de mil graus Celsius, deixando o vapor resultante evaporar através do sistema de ventilação. Membros do painel também teriam avaliado três outras opções, descartadas por falta de viabilidade.

O painel chamou a atenção para o fato de que, independentemente de qual método seja implementado, a decisão irá impactar negativamente a imagem da região.

O governo irá levar em consideração a proposta do painel para redigir seu relatório sobre o problema, que será enviado ao governo, responsável pela decisão final sobre o método de despojo.

No entanto, o descarte da água contaminada no meio ambiente irá contar com uma forte oposição, principalmente de trabalhadores da indústria pesqueira e residentes locais.

Com a Agência Brasil.