Notícias

Os novos hábitos dos consumidores no Japão

Foto: Fujitsu

Em uma ruptura com as tradições, a compra online tem levado os japoneses a gastar menos, comprar mais e a poupar tempo para descansar e curtir o lar.

Famosos por se orgulharem em preservar muitos de seus costumes tradicionais e celebrados pela disposição em pagar por qualidade e, geralmente, desinteressados ​​por produtos mais baratos, os consumidores japoneses agora estão migrando para os varejistas online, onde notoriamente é possível encontrar produtos muito mais em conta do que em lojas físicas. Até mesmo os tradicionais envelopes para presentes –que outrora eram feitos à mão, ou comprados em pequenas lojas japonesas– têm registrado uma grande demanda por meio do e-commerce, como a Envelopesonline.pt, por exemplo.

As vendas online de alimentos, tais como almoço, jantar ou um simples lanche, aumentaram exponencialmente. Muitos consumidores no Japão estão optando por comprar online no lugar de comer fora ou fazer a própria comida. Esse novo hábito só tende a crescer, visto que os japoneses passam grande parte de seu dia trabalhando, e comprar comida online resulta na sobra tempo para aproveitar o aconchego do lar, a família ou simplesmente descansar. 

É provável que essa mudança fundamental nas atitudes e no comportamento dos consumidores japoneses persista, independentemente de qualquer recuperação econômica. Isso ocorre porque a mudança decorre não apenas da recente crise e crescimento lento da economia, mas também de fatores arraigados que vão desde a revolução digital ao surgimento de uma geração mais jovem que procura por praticidade.

Um exame das estratégias das principais empresas japonesas e multinacionais, juntamente com entrevistas com dezenas de executivos dos principais players do setor de varejo e consumidor, mostra como os consumidores estão mudando.

Como os consumidores japoneses estão mudando

Os consumidores japoneses há muito são distintos e notoriamente previsíveis. Diferentemente de seus colegas na Europa e nos Estados Unidos, eles evitavam produtos de baixo preço, em grande parte, preferindo lojas de departamento sofisticadas e supermercados regionais mais caros. Eles estavam dispostos a pagar preços altos por produtos de qualidade, e seu amor por marcas provocou o surgimento de um mercado de luxo em massa, no qual possuir produtos caros e exclusivos parecia essencial.

Esse pensamento, no entanto, tem mudado de forma surpreendente. Embora não abram mão da qualidade, os japoneses têm passado pela transição de procurar por produtos com preços mais em conta tanto em lojas físicas como no crescente comércio online.

Essa combinação tem ajudado a aumentar as vendas no varejo do país, que antes era amplamente dependente de lojas físicas, mais de 90%. Atualmente, essa proporção caiu em mais de 30%, segundo estudo da consultora McKinsey.

Procura de preço e qualidade

Os dois últimos aumentos do imposto sobre as vendas, em 2014 e recentemente em outubro deste ano, também têm colaborado para a mudança do tradicional hábito de comprar em lojas físicas, principalmente em grandes lojas de departamento.

Os consumidores japoneses estão reduzindo custos e questionando sua famosa tendência de pagar por produtos caros e de luxo. Uma pesquisa na Internet da McKinsey descobriu que 37% haviam cortado os gastos gerais, passando a procurar por produtos mais em conta oferecidos pelos varejistas online, mas com a qualidade que tanto apreciam.

A ideia principal, segundo os entrevistados, é “gastar menos dinheiro e poupar tempo”.

Passando mais tempo em casa

Os japoneses costumam passar pouco tempo em casa, como resultado de fatores como longas horas de trabalho. No entanto, quase 50% de uma amostra representativa de consumidores em uma variedade de faixas etárias e geográficas agora estão gastando menos e comprando mais.

Em uma ruptura com as tradições, a compra online tem levado os consumidores japoneses a passar mais tempo em casa.

Comprar produtos de maneira diferente

Os consumidores no Japão estão mudando não apenas o que compram, mas também como o compram. Há muito tempo comprando perto de suas casas, eles agora estão mais dispostos a “viajar na internet”.

Os japoneses estão favorecendo locais que satisfaçam as necessidades além das compras, como alimentação e entretenimento.

Relutância

O e-commerce é fundamental para as tendências da economia global. Embora o Japão tenha uma das taxas de penetração de banda larga mais altas do mundo, por muitos anos ficou atrás dos mercados desenvolvidos, Estados Unidos e Europa, na disposição de seus consumidores de fazer compras online.

Essa realidade tem mudado em um ritmo muito mais rápido do que o esperado. O Japão diminuiu sua relutância, o que pode ser constatado na pesquisa da McKinsey, na qual mostra que a venda online no Japão cresceu mais de 50% em cinco anos.

As tecnologias móveis estão capacitando os consumidores a tomar decisões mais inteligentes sobre o que compram.

O mercado online total de bens físicos (excluindo a venda de ingressos e downloads eletrônicos de mídia, como música, filmes e software) foi estimado em quase US$ 50 bilhões, em comparação com apenas US$ 1,3 bilhão em 1999, mostram os dados da McKinsey.

Crescimento global do e-commerce

Mediante o aumento da demanda em envelopes e embalagens imprescindíveis no comércio eletrônico, o mundo digital tem visto o surgimento de lojas on-line usadas no setor, no Japão a própria Amazon tem oferecido esse produto, porém, não é uma empresa especializada nesse seguimento.

Mas a Envelopesonline.pt, loja online especializada em embalagens (packing), tem tomado conta desse setor. A companhia portuguesa tem atendido esse mercado em quase todo o mundo, isso porque oferece todos os tipos de packaging, que vão desde envelopes a caixas de todos os tamanhos – uma loja online que, em particular, me agradou.

Por Maria Rosa / Mundo-Nipo.com (MN)