Notícias

Japão anuncia retomada à caça comercial de baleias

©Creative Commons

A ideia do Japão é conduzir a caça de baleias “dentro de seu mar territorial”, o que provocou críticas de vários países.

O Governo do Japão anunciou que vai se retirar da Comissão Baleeira Internacional (CBI) e retomará a caça comercial de baleias em julho de 2019, provocando críticas de outros governos e grupos conservacionistas.”

Tóquio argumenta que a CBI não cumpriu seu duplo mandato inicial, de 1946, de encontrar um equilíbrio entre preservar os estoques de baleias e permitir o “desenvolvimento ordenado” da indústria baleeira. Depois de não conseguir um acordo em uma conferência global no Brasil em setembro para retomar a caça comercial, o Japão agora está ameaçando se retirar completamente do órgão global.

“Lamentavelmente, chegamos a uma decisão de que é impossível na CBI buscar a coexistência de estados com visões diferentes”, disse o secretário-chefe do gabinete e ministro porta-voz do governo japonês, Yoshihide Suga, em um comunicado nesta quarta-feira (26).

A retirada entrará em vigor no final de junho e a caça comercial será retomada em julho, “de acordo com a política básica do Japão de promover o uso sustentável de recursos aquáticos com base em evidências científicas”, disse Suga, acrescentando que a caça respeitará os limites de captura nos cálculos da CBI “para evitar impacto negativo sobre os recursos dos cetáceos”.

O governo da Austrália disse que ficou “extremamente desapontado” com a decisão, enquanto a Nova Zelândia lamentou a retomada de uma prática desatualizada e desnecessária”, enquanto grupos de conservação também condenaram a decisão.

“Durante décadas, o Japão fez campanhas agressivas e bem financiada para derrubar a proibição mundial da caça comercial de baleias”, disse Kitty Block, presidente da Humane Society International, em um comunicado. “O país tem falhado consistentemente, mas ao invés de aceitar que a maioria das nações não quer mais caçar baleias, ele agora simplesmente saiu [da CBI]”.

A Humane Society International disse que também está preocupada que o Japão possa recrutar outras nações pró-caça para deixar a CBI, “levando a um novo capítulo de matança de baleias por lucro”.

O Greenpeace Japão disse que a decisão estava “fora de sintonia com a comunidade internacional”, e argumentou que os estoques de baleias e os oceanos geralmente merecem melhor proteção.

Saiba mais
» Pedido do Japão para o fim da proibição de caça às baleias é rejeitado
» Japão caçou dezenas de baleias em área protegida na Antártida
» Expedição japonesa matou 333 baleias em 4 meses na Antártida

Confrontada com o colapso das reservas de baleias, a CBI concordou com uma moratória à caça comercial de baleias a partir de 1986, um movimento creditado com a salvação de várias espécies da iminente extinção. ”

Contudo, o Japão, a Islândia e a Noruega continuaram a caçar baleias. Até agora, o Japão justificou sua caça anual às baleias na Antártida em nome de pesquisas científicas que, segundo o país, são necessárias para avaliar populações globais de espécies de baleias.

Esse argumento, no entanto, foi rejeitado pela Corte Internacional de Justiça em 2014, quando decidiu que a caça de baleias na Antártida não tinha base científica. Com a decisão, o Japão resolveu parar por um ano e depois retomou com um novo “programa de pesquisa”. No qual afirmava que atendia às preocupações do tribunal.

Em outubro, a Convenção sobre o Comércio de Espécies Ameaçadas também deu um golpe na indústria baleeira do Japão, quando decidiu que o Japão havia quebrado suas regras pegando carne de baleia de águas internacionais sob o pretexto de pesquisa e vendendo-a comercialmente dentro do Japão.

Em um relatório recente, a Agência de Investigação Ambiental (EIA) e o Instituto de Bem-estar Animal (AWI, na sigla em inglês) disseram que Japão, Noruega e Islândia mataram 38.539 baleias desde que a moratória entrou em vigor, com mais de 22.000 baleias mortas apenas por barcos japoneses.

Grupos de animais silvestres dizem que as “pesquisas” sobre baleias no Japão foram uma tentativa velada de manter a indústria viva, garantindo a manutenção de barcos, habilidades e mercado para a carne de baleia.

Agora, porém, o véu foi removido. Suga disse que o Japão deixará de usar baleias do Oceano Antártico e do Hemisfério Sul, e conduzirá caça comercial “dentro do mar territorial do Japão e em sua zona econômica exclusiva”.

O secretário do gabinete disse que as opiniões de países que querem continuar a caça de baleias de maneira sustentável “não foram levadas em consideração” durante as deliberações em Florianópolis, Brasil, em setembro.

“Consequentemente, o Japão foi levado a tomar essa decisão”, disse o ministro porta-voz.

Já os conservacionistas argumentam que os estoques de baleias não se recuperaram suficientemente da caça excessiva passada e são de qualquer maneira difíceis de julgar, fáceis de esgotar e lentos para serem reconstruídos. Os mamíferos marinhos também enfrentam ameaças existenciais decorrentes da mudança climática e poluição marinha, incluindo plásticos, produtos químicos e ruído.

Há também uma repulsa generalizada no Ocidente à ideia de caçar e matar baleias, embora alguns defensores da caça às baleias apontem para a crueldade envolvida na criação industrial ocidental para nivelar as acusações de hipocrisia.

A carne de baleia era uma fonte vital de proteína no Japão quando o país se recuperava dos estragos da Segunda Guerra Mundial, mas é muito menos popular nos dias de hoje. Apesar disso, o governo argumenta que faz parte da cultura tradicional do Japão, que remonta a séculos.

“O engajamento na caça às baleias tem apoiado as comunidades locais e, assim, desenvolvido a vida e a cultura do uso de baleias”, disse Suga. “O Japão espera que mais países compartilhem a mesma posição para promover o uso sustentável de recursos aquáticos com base em evidências científicas, que serão transmitidas às gerações futuras”.

Mundo-Nipo
Fonte: Washington Post.