Notícias

Japão reduz emissões de gases poluentes pelo 5º ano seguido

Foto: Stockvault

As emissões de gases no Japão caíram ao seu nível mais baixo em 29 anos, graças principalmente à redução da geração de energia termoelétrica.

As emissões de gases causadores do efeito estufa reduziram no Japão durante o ano fiscal de 2018, que no país terminou em março de 2019, marcando o quinto ano consecutivo de redução desses gases nocivos e que são os principais responsáveis pelo aquecimento global.

Segundo o relatório emitido pelo Ministério do Meio Ambiente do Japão, as emissões de gases no país caíram para o seu nível mais baixo desde que os dados começaram a ser compilados, em 1990.

Os números preliminares do ministério mostram que o Japão emitiu 1.244.000 de toneladas de dióxido de carbono no ano fiscal de 2018. O volume representa uma queda de 3,6% em relação ao ano anterior. Esta foi também a quinta queda anual consecutiva.

O ministério atribui o declínio à promoção de esforços da população para a economia de energia e à redução da geração de energia termoelétrica, que é obtida através da queima de combustíveis fósseis, tais como o carvão mineral, o gás natural e o diesel, responsáveis por grande liberação de poluentes.

O órgão ainda apontou aumento na geração de energia de fontes renováveis e o reinício das operações em algumas usinas nucleares como contribuintes para o importante declínio.

Até 2030, o governo pretende reduzir em 26% as emissões dos gases causadores do efeito estufa, em relação aos níveis registrados em 2013. Em 2018, o país conseguiu alcançar uma redução de 11,8%.

Início da redução de poluentes

Tal redução no Japão teve início no ano fiscal de 2014, terminado em março de 2015. Foi o primeiro declínio de emissões de gases no país em cinco anos.

Na época, o ministério apontou os esforços da população e das empresas para economizar energia como os principais contribuintes para a redução desses poluentes.

Outro fator que colaborou com essa importante redução é o crescente uso de energia renováveis após o acidente nuclear no complexo atômico de Fukushima, em março de 2011.

MN – Mundo-Nipo.com
Fonte principal: NHK News.

👉 Matéria atualizada em 06/12/2019.