Notícias

Japão encerra conferência sobre África com ‘Declaração de Yokohama’

Shinzo Abe entre líderes africanos em Yokohama | Foto: Reprodução/Kyodo

Conferência em Yokohama terminou hoje com a promessa de desenvolvimento econômico e social na África. Japão prometeu US$ 20 bilhões.

Terminou em Yokohama, no leste do Japão, a conferência denominada Ticad, que debateu durante três dias o desenvolvimento econômico e social da África. Ao final da conferência, nesta sexta-feira (30), líderes e representantes de nações adotaram a “Declaração de Yokohama”, informou o site online da emissora pública NHK.

Esta foi a sétima edição da conferência desde que começou a ser realizada, em 1993. A Ticad é o pilar da política estrangeira do Japão na África.

“Uma África dinâmica é, agora, uma parceira do Japão, e nós vamos crescer juntos. Confirmei este sentimento através da conferência que presidi por três vezes”, declarou o primeiro ministro japonês, Shinzo Abe, na cerimônia de encerramento.

A declaração final mencionou o aproveitamento do potencial de investimentos do setor privado para melhorar o crescimento econômico e social na África.

Na conferência, líderes e representantes prometeram continuar a combater doenças infecciosas, investindo mais em iniciativas no setor de saúde, conforme noticiou a NHK.

Japão promete investir US$ 20 bilhões a África

Na quarta-feira, primeiro dia da conferência em Yokohama, o primeiro-ministro Shinzo Abe renovou a promessa do Japão em aumentar o investimento na África do setor privado do país para mais de US $ 20 bilhões nos próximos três anos, informou a Kyodo News.

Abe também propôs um conjunto de programas de desenvolvimento de recursos humanos para a África, incluindo o treinamento de 3.000 pessoas no Japão ao longo de seis anos, que podem contribuir para a promoção de negócios entre o Japão e o continente.

Um total de US $ 20,6 bilhões foi investido na África do setor privado japonês entre 2016 e 2018, de acordo com o Ministério das Relações Exteriores do Japão

MN – Mundo-Nipo.com
Fontes: NHK News | Kyodo News.