Política

Violência na Ucrânia deixa Japão indeciso sobre cooperação econômica com Rússia

50 rebeldes pró-Rússia foram mortos em uma ofensiva do governo ucraniano.

Do Mundo-Nipo

A crise na Ucrânia fez com que o governo do Japão ficasse dividido sobre promover ou não a cooperação econômica com a Rússia. Na semana passada, o lado russo realizou um fórum econômico internacional em São Petersburgo, contando com a presença do presidente Vladimir Putin. Já o presidente dos Estados Unidos, Barack Obama, optou por não enviar uma delegação oficial e conclamou as empresas do país a desistirem de participar do evento.

No entanto, fontes ligadas ao governo japonês afirmaram que grandes empresas do setor de energia dos Estados Unidos e da Europa, incluindo a americana Exxon Mobil e a britânica BP, enviaram executivos ao fórum. Algumas empresas firmaram memorandos com firmas russas para projetos de gás natural, entre outros, conforme citaram as fontes, de acordo com a emissora pública NHK.

Integrantes do governo japonês disseram que o país precisa formar uma frente unida com as demais nações membros do G7 para lidar com a Rússia.

Porém, outros funcionários do governo japonês deram a entender que não deveria ser permissível que uma fricção política interfira na cooperação econômica com Moscou.

O dilema do Japão acontece em meio a violência na Ucrânia. Nesta terça-feira, mais de 50 rebeldes pró-Rússia foram mortos em uma ofensiva sem precedentes de forças do governo ucraniano. A notícia vem após o recém-eleito presidente do país, Petro Poroshenko, prometer esmagar a revolta no leste de uma vez por todas, destaca a Reuters.

É o segundo dia consecutivo de confrontos na cidade do Leste da Ucrânia, que se autodeclarou independente e se recusou a participar das eleições presidenciais de domingo.

(Com informações da NHK News e Agência Reuters)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Deixe uma resposta