Notícias

Exportações japonesas de alimentos atingem recorde de US$ 6,1 bilhões

As exportações de produtos agroindustriais, agropecuários e de pesca registraram um salto de 22% em 2015.

O Ministério da Agricultura, Silvicultura e Pesca do Japão informou que as exportações de produtos agroindustriais, agropecuários e de pesca atingiram o montante recorde de 745 mil milhões de ienes (US$ 6,1 bilhões) em 2015, alta de 22% m relação ao ano anterior, o que representa o terceiro ano consecutivo de altas recordes.

O Ministério disse que os mercados na Ásia foram responsáveis por três quartos do total das exportações japonesas de alimentos no ano passado, mas acrescentou que o aumento na demanda também foi visto nos Estados Unidos e na Europa.

Divulgado nesta semana, o relatório mostra que as exportações de legumes e frutas saltaram 44%, graças á uma grande demanda por maçãs premium em Taiwan.

Os embarques de grãos subiram quase 36%, enquanto exportações de arroz polido para Hong Kong e Cingapura registraram altas recordes.

A saída de alimentos processados, incluindo molho de soja e saquê, subiu 26%, enquanto as exportações de peixe e produtos marinhos alavancaram 20%.

O ministro da Agricultura, Hiroshi Moriyama, disse a jornalistas que o “Japão está começando a colher os frutos depois que sua gastronomia foi listada como Patrimônio Cultural Imaterial da Unesco, em 2013”.

O salto em 2015 também foi atribuído aos esforços promocionais das empresas japonesas de alimentos durante o “Milan Food Expo 2015”, um dos mais importantes eventos internacionais da indústria de alimentos.

O governo do primeiro-ministro Shinzo Abe estabeleceu a meta de um trilhão de ienes (US$ 8,2 bilhões) em exportações de alimentos até 2020. Os excelentes resultados em 2015, no entanto, levaram Moriyama a arriscar que “essa meta pode ser atingida bem antes do prazo estimado”.

(Com agência Kyodo)

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

 

Comentários