Política

Japão: Gabinete de Noda aprova dissolução da Câmara dos Deputados

Noda também anunciará nesta sexta-feira o início da campanha eleitoral em 4 de dezembro.

Da agência EFE

Tóquio, 16 nov (EFE).- O Gabinete do primeiro-ministro do Japão, Yoshihiko Noda, aprovou formalmente nesta sexta-feira a dissolução da Câmara dos Deputados, abrindo caminho para a convocação de eleições gerais antecipadas, previstas para 16 de dezembro, informou a agência “Kyodo”.

Noda, de 55 anos, tomou a decisão de antecipar o pleito geral na quarta-feira, após ter acordado com a oposição a aprovação de várias medidas promovidas por seu Gabinete.

As duas medidas, que receberão o sinal verde antes da dissolução da câmara baixa, preveem a reforma do sistema eleitoral para modificar o peso do voto das províncias e a emissão de novos bônus para financiar as atividades do Estado no atual exercício.

Apesar de Noda ter prometido renunciar após receber o apoio necessário para promover em agosto uma ambiciosa reforma tributária, que aumentará progressivamente o imposto sobre o consumo dos 5% atuais para 10% em 2015, o primeiro-ministro resistia à ideia de convocar o pleito.

Noda, que sucedeu a Naoto Kan em setembro de 2011, porá fim a três anos de Governo do Partido Democrático (PD) no Japão após ter desbancado o Partido Liberal-Democrata (PLD) depois de mais de meio século no poder.

Assediado pela oposição e com uma popularidade das mais baixas, Noda também anunciará nesta sexta-feira o início da campanha eleitoral em 4 de dezembro.

As pesquisas mostram o opositor PLD, liderado pelo ex-primeiro-ministro Shinzo Abe, como o favorito para as eleições.

O novo primeiro-ministro terá o desafio de recuperar a economia, estabelecer uma nova política energética após o acidente nuclear em Fukushima e continuar a reconstrução das zonas devastadas pelo terremoto e tsunami que assolaram o nordeste do país em março de 2011. EFE

 

Agência EFE – Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem a autorização prévia por escrito da Agência EFE S/A.

Comentários