Sociedade

Manifestantes pedem ação do governo japonês contra drogas não proibidas por lei

A manifestação acontece após um homem, sob a influência dessas drogas, ter atropelado diversas pessoas em Tóquio.

Do Mundo-Nipo

Mais de mil pessoas participaram de uma manifestação em Tóquio, exigindo ações do governo contra a comercialização e uso de certas ervas alucinógenas que, segundo eles, não são proibidas por lei, conforme noticiou neste sábado (5) a emissora pública ‘NHK’.

 

Droga dappo (Foto: Kyodo)

No Japão, há máquinas automáticas que vendem produtos feitos a partir de “ervas dappo”, por vezes referida como “cannabis sintética” (Foto: Kyodo)

 

A manifestação de sábado acontece depois de um grave acidente ocorrido no mês passado. Segundo autoridades, um homem, que dirigia sob a influência de ervas alucinógena, fez o carro subir em uma calçada e atingiu vários pedestres nas proximidades da estação de Ikebukuro, em Tóquio, causando a morte de Lin Xueqin, de 30 anos. Outras 7 pessoas ficaram feridas.

Posteriormente, foi comprovado que o homem havia consumido ervas “dappo”, por vezes referida como “cannabis sintética” e que é conhecida por causar efeitos perigosos, como euforia, alucinações e intoxicação.

Segundo os manifestantes, essas drogas, referidas por eles como “ervas não proibidas por lei”, contêm substâncias similares a narcóticos, entre outras químicas ilegais.

Durante a manifestação, o ministro da Saúde do Japão, Norihisa Tamura, prometeu aumentar o controle sobre os indivíduos que comercializam tais ervas.

O Ministério da Saúde criou um sistema para restringir esse tipo drogas que possuem composição química similar a drogas descritas na Lei de Assuntos Farmacêuticos.

No entanto, as novas regras não conseguem acompanhar o aumento no número de produtos feitos a partir de diferentes composições.

(Com informações da NHK News a Agência Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*