Variedades

Orquídea rara floresce no Japão pela primeira vez desde 1938

Orquídea rara- da espécie shimakumokiriso (Foto: Shinichi Mishima / Jardim Botânico Tsukuba)

Nativa das ilhas Ogasawara, espécie raríssima estava extinta há quase oito décadas.

Uma orquídea rara nativa das ilhas de Ogasawara, ao sul de Tóquio, e que se acreditava estar extinta por quase oito décadas, está florescendo novamente em um jardim botânico em Tóquio, para espanto dos botânicos locais, informou neste domingo (19) o jornal japonês ‘Asahi’.

Pesquisadores do Museu Nacional da Natureza e Ciência disseram que a flor pertence a rara espécie de orquídea denominada”shimakumokiriso” (Liparis hostifolia), que foi cultivada no Jardim Botânico Tsukuba, na prefeitura de Ibaraki.

A flor surgiu de um dos vários tocos descobertos este ano na ilha Minami-Iwojima, que faz parte das ilhas Ogasawara, um arquipélago formado por mais de 30 ilhas subtropicais e tropicais, localizadas a aproximadamente 1.000 km ao sul de Tóquio.

“Jamais pensei, em toda minha vida, que um dia poderia contemplar a flor [orquídea shimakumokiriso] pessoalmente”, disse Tomohisa Yukawa, um dos botânicos do museu envolvidos na experiência do cultivo da rara orquídea.

A existência da espécie shimakumokiriso foi confirmada pela primeira vez na ilha de Chichijima, em Ogasawara, em 1916, de acordo com Yukawa.

Posteriormente, a planta foi identificada como uma espécie rara de orquídea endêmica da cadeia insular subtropical Ogasawara, arquipélago nomeado pela Unesco como Patrimônio Natural Mundial.

A espécie foi avistada pela última vez em 1938, na ilha de Chichijima. Desde então, nunca mais floresceu em qualquer parte de Ogasawara ou do mundo, o que levou os cientistas a acreditarem que a orquídea endêmica estivesse extinta, já que seu habitat estava comprometido devido ao desenvolvimento.

Orquídea cultivada em Tsukuba está com 12 cm de altura (Foto: Shinichi Mishima / Jardim Botânico Tsukuba)

Porém, em junho passado, uma equipe de expedição organizada pelo Governo Metropolitano de Tóquio, em parceria com outras instituições, recolheu vários tocos da espécie na ilha Minami-Iwojima, na cadeia de Ogasawara.

Os cachos foram levados para o Jardim Botânico Tsukuba, onde pesquisadores aplicaram técnicas especiais de cultivo.

O botânico Yukawa explicou que um dos cachos cresceu até 12 centímetros de altura e com duas folhas. Um dos sete botões que o toco específico produziu entrou em flor no dia 16 de novembro, enquanto outro está perto de florescer.

A flor da orquídea de Minami-Iwojima compreende seis pétalas, com a maior delas medindo cerca de 1 centímetro de largura. A flor é verde com listras púrpura.

Yukawa disse que ele e seus colegas nunca viram a flor da orquídea em particular mesmo em uma foto. O próximo desafio para os pesquisadores será colher sementes da flor, disse o botânico ao jornal japonês.

Do Mundo-Nipo
Via The Asahi Shimbun.

Comentários