Economia

Japão registra déficit comercial de 808,9 bilhões de ienes em abril

O país assinala o vigésimo segundo mês consecutivo no vermelho.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo

A balança comercial do Japão registrou déficit comercial de 808,9 bilhões de ienes em abril, refletindo uma queda de 7,8% ante ao mesmo período do ano anterior, que foi de 877,4 bilhões de ienes, mostraram dados do governo nesta quarta-feira (21), indicando que o país assinala o vigésimo segundo mês consecutivo no vermelho.

As exportações no quarto mês do ano tiveram um aumento de 5,1% ante o mesmo mês do ano anterior, para 6,07 trilhões de ienes, enquanto as importações expandiram 3,4 %, para 6,88 trilhões de ienes, informou o Ministério das Finanças em um relatório preliminar. Os dados são medidos em uma base alfandegária.

“As importações caíram em uma gama de produtos. A queda nas importações de petróleo bruto foi particularmente grande”, disse o economista Masahiko Hashimoto, da Daiwa Institute of Research.

Hashimoto acrescentou que o Japão está susceptível a ter uma “tendência de redução” em seu déficit comercial.

As compras de gás natural mantiveram-se elevadas, já que o Japão é pobre em recursos naturais e está envolvido em disputas com governos locais para reiniciar suas centrais nucleares, desligadas após a crise de Fukushima em 2011 e que forneciam um terço de toda energia consumida no país.

A queda do iene, desde o final de 2012, contribuiu para aumentar as contas de importação. Entretanto, as compras de petróleo bruto do mês passado caíram 11,2% após cravar altas elevadas nos meses que antecederam ao aumento do imposto de vendas, de 5% para 8%, que entrou em vigor no dia 1º de abril deste ano, início do ano fiscal no país.

Os dados econômicos recentes do Japão são voláteis, uma vez que o aumento de impostos tem influenciado, desviando os resultados.

As questões envolvendo o plano econômico do primeiro-ministro Shinzo Abe ainda permanecem sob os olhares atentos de governos de todo o mundo.

Enquanto os movimentos do plano deu início a uma forte queda do iene – dando uma carona para a rentabilidade dos exportadores e uma recuperação do mercado acionário no ano passado – os críticos dizem que Abe ainda tem de realizar mais reformas estruturais na economia, como assinar acordos de livre comércio, bem como dinamizar o mercado de trabalho, incentivando empresas a contratar mais trabalhadores do sexo feminino, dando-lhe também mais poderes em cargos públicos e políticos do país, que são os mais escassos de mulheres entre as economias desenvolvidas.

(Do Mundo-Nipo com Agência Kyodo e mídia internacional)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta