Notícias

Sérgio Moro divulga grampo de ligação comprometedora entre Lula e Dilma

Uma das gravações sugere que os “dois” têm intenção de atrapalhar as investigações da Operação Lava Jato”.

Poucas horas depois do anúncio da nomeação de Luiz Inácio Lula da Silva como ministro chefe da Casa Civil, nesta quarta-feira (16), o juiz Sérgio Moro retirou o sigilo de interceptações telefônicas do ex-presidente. De acordo com o plantão de notícias da emissora ‘Rede Globo’, as conversas gravadas pela Polícia Federal incluem diálogos comprometedores entre a presidente Dilma Rousseff e Lula.

O portal ‘G1’ informou que procurou as assessoria da Presidência e da Casa Civil para questionar sobre as escutas, mas até a última atualização desta reportagem ainda não havia obtido resposta.

Ainda de acordo com o ‘G1’, no despacho em que libera as gravações, Moro afirma que, “pelo teor dos diálogos gravados, constata-se que o ex-Presidente já sabia ou pelo menos desconfiava de que estaria sendo interceptado pela Polícia Federal, comprometendo a espontaneidade e a credibilidade de diversos dos diálogos”.

Veja abaixo um trecho da conversa entre Dilma e Lula nesta quarta:
Dilma: Alô
Lula: Alô
Dilma: Lula, deixa eu te falar uma coisa.
Lula: Fala, querida. Ahn
Dilma: Seguinte, eu tô mandando o ‘Bessias’ junto com o papel pra gente ter ele, e só usa em caso de necessidade, que é o termo de posse, tá?!
Lula: Uhum. Tá bom, tá bom.
Dilma: Só isso, você espera aí que ele tá indo aí.
Lula: Tá bom, eu tô aqui, fico aguardando.
Dilma: Tá?!
Lula: Tá bom.
Dilma: Tchau.
Lula: Tchau, querida.

Apesar de sugerir que Lula desconfiava do grampo, o juiz diz que em algumas conversas se fala, aparentemente, “em tentar influenciar ou obter auxílio de autoridades do Ministério Público ou da Magistratura em favor do ex-Presidente”. Moro ressalta, porém, que não há nenhum indício nas conversas, ou fora delas, de que as pessoas citadas tentaram, de fato, agido “de forma inapropriada”.

“Em alguns casos, sequer há informação se a intenção em influenciar ou obter intervenção chegou a ser efetivada”, observa o juiz.

Moro afirma, ainda, que alguns diálogos sugerem que Lula já sabia das buscas feitas pela 24ª fase da Operação Lava Jato no início do mês, conforme noticiou o ‘G1’, indicando que “Dilma e Lula teriam planos para atrapalhar as investigações do Lava Jato”.

Com o novo cargo, o ex-presidente passa a contar com foro privilegiado na Justiça, o que impede que ele seja julgado por qualquer instância judicial que não seja o Supremo Tribunal Federal. Assim, não cabe mais ao juiz federal Sérgio Moro, o mesmo que autorizou a obrigatoriedade de seu depoimento e o maior símbolo da Operação Lava Jato, o julgamento dos supostos crimes dos quais é acusado.

Mediante a isso, Moro informa que as investigações serão enviadas ao Supremo Tribunal Federal. O material deve ser enviado após a posse, que está marcada para terça-feira (22).

Imagens exibidas pela emissora ‘Rede Globo’, às 19h25 de hoje, mostraram uma multidão, cerca de 1,5 mil pessoas, em frente ao Palácio do Planalto protestando contra a nomeação de Lula e pedindo o impeachment da presidente Dilma Rousseff.

Confira o áudio:

Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Deixe uma resposta