Notícias

Dólar fecha próximo de R$ 3 e acumula queda de 3,45% em três dias

O dólar fechou no menor valor desde o dia 5 de março.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Do Mundo-Nipo com Agências

O dólar recuou ante o real pelo terceiro dia consecutivo nesta quinta-feira (16), fechando próximo da barreira de R$ 3, acompanhando o movimento no exterior em um dia de poucos indicadores econômicos nacionais.

Ao término das negociações, a moeda norte-americana estava cotada a R$ 3,0167 na venda, queda de 0,58%. Trata-se do menor valor de fechamento em mais de um mês, desde 5 de março, quando valia R$ 3,012. Com o resultado de hoje, a moeda acumula desvalorização de 3,45% em três sessões.

Segundo dados da BM&FBovespa, o movimento financeiro ficou em torno de US$ 1,1 bilhão, contra cerca de US$ 1,2 bilhão observados na quarta-feira

Logo na abertura da sessão, o dólar operava no território negativo, passando a registrar certa volatilidade ao longo da manhã, oscilando entre leves altas e baixas. De acordo com a agência Reuters, a tendência de queda se consolidou apenas na segunda parte da sessão, quando o dólar ampliou a queda no mercado.

“As oscilações aqui são normais devido às quedas já ocorridas e ao patamar de sustentação de R$ 3”, disse à Reuters o economista da Tendências Consultoria Silvio Campos Neto.

No cenário externo, o movimento de queda foi influenciado pela divulgação de dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos, segundo noticiou mais cedo o UOL economia. O Departamento de Trabalho dos EUA informou que, na semana passada (de 5 a 11 de abril), aumentou em 12 mil o número de pedidos de auxílio-desemprego.

O indicador é um dos termômetros da economia norte-americana avaliados pelo Fed (Federal Reserve, o banco central dos EUA) para determinar quando haverá aumento nas taxas de juros do país.

O aumento de juros lá é visto como negativo para o Brasil porque poderia atrair para os EUA recursos atualmente investidos aqui e em outros países.

Nesta quinta, o presidente do Fed de Atlanta, no Estado da Geórgia, Dennis Lockhart, disse que o indicador de auxílio -desemprego, dentre outros, mostra desaceleração da economia. Por isso, ele diz preferir que o banco aumente os juros apenas no final do ano.

Atuações do Banco Central
O Banco Central realizou mais um leilão para rolar contratos antigos de swap cambial tradicional (equivalentes à venda futura de dólares) que vencem em 4 de maio. Foram vendidos 10,6 mil contratos: 9.400 para 1º de março de 2016 e os outros 1.200 com vencimento em 3 de outubro do ano que vem.

A operação movimentou o equivalente a US$ 518,3 milhões. Até o momento, o BC rolou US$ 5,655 bilhões, ou o equivalente a cerca de 56% do lote total com vencimento em maio, correspondente a US$ 10,115 bilhões.

Os leilões de rolagem servem para adiar os vencimentos de contratos que foram vendidos no passado.

Em março, o BC encerrou seu programa de atuações no mercado de câmbio, em que vendia, todo dia, novos contratos de swap com o objetivo de evitar um forte avanço da moeda norte-americana. Não há mais negociação de novos contratos desde março.

Histórico do dólar
A moeda norte-americana fechou abaixo dos R$ 3 pela última vez no dia 4 de março, a R$ 2,9807. Desde então, o dólar subiu à máxima em quase 12 anos no dia 19 de março, a R$ 3,2965, uma alta de 10,6% em 15 dias.

Após atingir a máxima desde maio de 2003, o dólar vem buscando um novo patamar e voltou a chegar mais perto dos R$ 3, onde tem encontrado resistência para cair mais.

“O mercado está tentando encontrar um novo patamar, se é em R$ 3 ou se vai romper isso”, disse Serrano, acrescentando acreditar que a moeda deve oscilar entre R$ 3 e R$ 3,10.
“Na ausência de notícias relevantes, vamos ver o dólar oscilando nesse patamar.”

(Com informações do Portal UOL e Agência Reuters)

*Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

Deixe uma resposta