Notícias

Economia do Japão sofre o maior recuo em 5 anos

Foto: Noriko Hayashi

É a primeira vez que a economia japonesa recua em mais de um ano. Há temores de uma recessão devido aos efeitos do coronavírus.

O Produto Interno Bruto (PIB)  do Japão sofreu a maior retração trimestral em cinco anos,  registrando uma contração anualizada de 6,3% no quarto trimestre de 2019, informou nesta segunda-feira (17) o Escritório do Gabinete Japonês.

É o primeiro recuo do PIB do Japão em mais de um ano – a queda ocorre três meses depois de o país crescer 1,8% no trimestre de julho a setembro em termos anualizados, de acordo com dados revisados.

O resultado negativo reflete, principalmente, o aumento dos impostos sobre vendas de mercadorias, que teve impacto direto sobre o consumo dos japoneses.

A leitura do PIB japonês no último trimestre, que é preliminar, resulta  na maior contração desde o segundo trimestre de 2014, quando a economia japonesa contraiu 7,4%, após o Governo ter aumentado os impostos sobre as vendas, de 5% para 8%.

Segundo economistas, o Japão, a terceira maior economia do mundo depois de Estados Unidos e China, pode entrar em recessão técnica – dois trimestres seguidos de contração – neste início de 2020 devido aos efeitos do novo coronavírus.

Economistas consultados pelo provedor de dados Quick esperavam um recuo anualizado de 3,9% no trimestre de outubro a dezembro. A queda de 6,3% refletiu o consumo privado fraco, que caiu 2,9% no trimestre.

Os consumidores japoneses apertaram suas contas depois que o imposto nacional sobre vendas subiu de 8% para 10% em 1º de outubro.

Consumo e exportações

Os dados divulgados mostram ainda que os gastos do consumidor recuaram 2,9% no trimestre, refletindo também os prejuízos causados pelo poderoso tufão Hagibis, que afetou severamente grande parte do país em outubro, mesmo mês da elevação do imposto sobre as vendas.

Ainda de acordo com o relatório, as exportações japonesas recuaram 0,1%, afetadas pelas tensões comerciais entre os EUA e a China.

Mundo-Nipo (MN)
Fontes principais: Estadão Internacional | Nikkei Asian.