Notícias

Banco do Japão sugere aumentar estímulo ainda este mês

Foto: Stockvault

A contínua desaceleração da inflação tem pressionado o banco central japonês a aumentar seu já massivo estímulo monetário.

Com a inflação em forte ritmo de desaceleração, o Banco do Japão (BOJ, banco central japonês) sinalizou prontidão para expandir o estímulo monetário emitindo um forte alerta sobre os riscos no exterior que ameaçam a economia japonesa e sua meta de inflação de 2% ao ano.

“O BOJ orientará adequadamente as políticas sem preconceitos, enquanto monitora vários riscos”, disse o vice-presidente do BC japonês, Masayoshi Amamiya. em uma reunião anual de associações de crédito.

O banco central deve “pacientemente continuar” seu poderoso estímulo monetário para manter a dinâmica dos preços, disse ele, acrescentando que a inflação provavelmente acelerará gradualmente até a sua meta de 2%.

Dois terços dos economistas consultados pela agência Reuters esperam que o banco central afrouxe a política monetária este mês. Cerca de 28 dos 37 economistas disseram que o BOJ já havia começado a lançar as bases para o aprofundamento das taxas negativas, principalmente após o resultado da inflação em setembro.

O principal índice que mede a inflação ao consumidor no Japão registrou mais um mês de desaceleração, caindo em setembro para mínimas em quase dois anos e meio.

O presidente do BOJ, Haruhiko Kuroda, havia dito que a mudança estava entre as opções que o banco central considerara facilitar, apesar das preocupações de que tal mudança poderia prejudicar ainda mais os lucros das instituições financeiras que lutam com margens já reduzidas.

A desaceleração da demanda global e as consequências da guerra comercial EUA-China afetaram as exportações e o moral dos negócios, obscurecendo as perspectivas da economia japonesa e deixando o BOJ “encurralado”.

Os formuladores de políticas também temem que a economia dependente das exportações possa perder o apoio da demanda doméstica se o aumento de 10% nos impostos sobre vendas afetar o sentimento do consumidor e, consequentemente, os gastos das famílias.

Anos de impressão maciça de dinheiro falharam em aumentar os preços e mudar a mentalidade pública de que a inflação seria moderada, frustrando as esperanças do banco central de que estímulos monetários agressivos ajudem a pôr um fim decisivo à deflação.

Com as taxas de juros já em zero e as empresas cautelosas em aumentar os gastos, muitos analistas duvidam que uma flexibilização adicional ajude a acelerar a estagnada inflação na terceira maior economia do planeta.

Da Agência Reuters / Tradução e edição do Mundo-Nipo.com (MN).