Notícias

Exportações do Japão recuam pelo 12º mês seguido

Porto de Tóquio | Foto: Wikimapia

Se a fraqueza nas exportações persistirem, Japão corre grande risco de registrar contração em sua economia no quarto trimestre.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  

As exportações do Japão caíram pelo 12º mês consecutivo em novembro, quando os embarques em declínio para os Estados Unidos e China atingiram a economia dependente do comércio, aumentando o risco de uma contração no quarto trimestre.

Dados oficiais divulgados nesta quarta-feira (18) mostraram que as exportações japonesas sofreram retração de 7,9% em relação a novembro do ano passado.

Apesar do resultado negativo, o declínio foi menor que a retração de 9,2% registrada em outubro, e menos pior que o recuo de 8,6% esperado pelos economistas em uma pesquisa da agência Reuters.

No entanto, esta sequência de queda é a mais longa nas exportações desde o período de 14 meses até novembro de 2016.

“As exportações estão bastante fracas. A recuperação permaneceu em novembro, mesmo quando analisada em volume”, disse Atsushi Takeda, economista-chefe do Instituto de Pesquisa Econômica de Itochu.

Em termos de volumes, as exportações, que excluem o impacto da taxa de câmbio, caíram 5,0% no ano até novembro, a maior queda desde agosto e o quarto mês consecutivo de queda.

Apesar da fraqueza nos embarques, a economia do Japão cresceu em um ritmo muito mais rápido do que o inicialmente relatado no terceiro trimestre, mostraram dados na semana passada, graças principalmente a melhorias nos gastos das empresas e no consumo privado.

Mas há preocupações de que a força do terceiro trimestre esteja ocultando crescentes rupturas na economia depois que o governo avançou com um aumento de impostos em todo o país em outubro, dando um grande impacto ao sentimento corporativo e familiar.

A economia do Japão foi pega no fogo cruzado da guerra comercial entre os Estados Unidos e a China este ano, com maior protecionismo e uma desaceleração global relacionada prejudicando a produção e as exportações do país.

Produção, vendas e gastos

A produção industrial caiu no ritmo mais rápido em quase dois anos em outubro, enquanto as vendas no varejo e os gastos das famílias caíram depois que os consumidores “apertaram o cinto” após o aumento dos impostos sobre vendas.

O Banco do Japão, no entanto, é visto mantendo a política monetária em espera em sua reunião de dois dias que termina amanhã (19), com o progresso nas negociações EUA-China e um pacote de orçamento fiscal japonês em torno de US$ 122 bilhões pressionando o banco central para apoiar o crescimento.

Exportações japonesas por região

As exportações para a China, o maior parceiro comercial do Japão, perderam 5,4% em novembro na comparação anual, queda pelo nono mês seguido, resultado do contínuo declínio nos embarques de produtos químicos e peças para automóveis.

As exportações para a Ásia, que representam mais da metade das exportações totais do Japão, caíram 5,7% no ano até novembro, em grande parte devido à queda nos embarques para a Tailândia.

Já as vendas do Japão para os Estados Unidos caíram pelo quarto mês consecutivo, registrando queda de 12,9% em termos anualizados, afetados pela redução de embarques de carros, máquinas de construção e peças de automóveis.

“A fraqueza nas remessas para os EUA deve-se, em grande parte, às vendas fracas de automóveis, que representam cerca de metade das exportações para os Estados Unidos, mesmo com o consumo e a maior economia do mundo em gera”l, disse Takeda, da Itochu.

“Os EUA e a China concordaram em um acordo comercial da ‘Fase Um’, portanto, as tarifas provavelmente serão reduzidas e o agravamento das tensões foi interrompido”, concluiu Takeda.

Ele espera que as exportações japonesas para os Estados Unidos se recuperem nos próximos meses em vista de um esperado crescimento de gastos de capital.

Sob o acordo comercial anunciado na semana passada, Washington reduzirá algumas tarifas sobre as importações chinesas em troca de compras de produtos agrícolas, manufaturados e energéticos, aumentando em cerca de US$ 200 bilhões nos próximos dois anos.

O primeiro-ministro japonês, Shinzo Abe, concordou anteriormente com seu próprio acordo comercial limitado com os Estados Unidos, que foi aprovado pelo parlamento do Japão este mês, abrindo caminho para cortes de tarifas no próximo ano em itens como produtos agrícolas dos EUA e maquinários japoneses.

Da Agência Reuters / Tradução e adaptação do Mundo-Nipo.com.

  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •  
  •