Notícias

Homem mais velho do mundo morre no Japão, aos 113 anos

Masazo Nonaka | Foto: Arquivo/Kyodo

Masazo Nonaka morreu enquanto dormia em sua casa em Ashoro, na ilha de Hokkaido. O ancião havia recebido o certificado do Guinness em abril do ano passado.

O japonês Masazo Nonaka, reconhecido pelo Livro Guinness dos Recordes (Guinness World Records) como o homem mais velho do mundo, morreu neste domingo (20) enquanto dormia em sua casa em Ashoro, na ilha de Hokkaido, no extremo norte do Japão, informaram veículos de imprensa locais.

Os familiares do senhor Nonaka disseram que se deram conta de sua morte quando foram acordá-lo.

“Estamos tristes pela perda desta grande figura. Até ontem, ele estava como sempre, e faleceu com dignidade e sem causar nenhum problema”, disse sua neta Yuko a veículos de imprensa japoneses.

Segundo a família, Nonaka, que se deslocava em cadeira de rodas, gostava de assistir a duelos de sumô na televisão, lia os jornais diariamente e banhava-se uma vez por semana em um manancial de águas termais.

Recorde
O ancião recebeu o certificado do Guinness por ser o homem mais velho do mundo no dia 10 de abril do ano passado.

Masazo Nonaka nasceu em 25 de julho de 1905 em Ashoro, a mesma cidade na qual faleceu hoje. Sua esposa, Hatsuno, com quem teve cinco filhos, morreu em 1992.

O Japão já registrou vários recordes de pessoas mais longevas do mundo. O homem que chegou à idade mais avançada no mundo todo foi o japonês Jiroemon Kimuro, que faleceu em 12 de junho de 2013 aos 116 anos.

Já entre as mulheres, o recorde é da francesa Jeanne Calment, que morreu em 1997 aos 122 anos e 164 dias.

No entanto, a pessoa com a idade mais avançada que vive ainda hoje é outra japonesa, Kane Tanaka, que tem 116 anos e 18 dias.

Saiba mais
» Pela 1ª vez, mais da metade dos idosos no Japão tem 75 anos ou mais
» Número de pessoas centenárias passa dos 67 mil no Japão

Maior expectativa de vida
Japão é o país com a maior expectativa de vida do mundo. No país, pessoas com idade a partir de 65 anos compõe mais de um quarto da população japonesa, ou seja, 26% de um total estimado em 127 milhões, uma proporção que deve alcançar 40% até 2060, de acordo com o Ministério de Assuntos Internos e Comunicações do Japão.

MN – Mundo-Nipo
Fontes: Portal G1 | Kyodo News.