Notícias

Japão e China concordam em promover comércio multilateral

Ministro chinês Wang Yi (E) e o homólogo japonês Toshimitsu Motegi (D) em coletiva de imprensa em Tóquio em 24/11/2020 | Foto: Pool/Kyodo

Além do acordo bilateral, os dois países concordaram em implementar rapidamente a parceria econômica regional recém-assinada.

  • 73
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    74
    Shares

O Japão e a China trabalharão em conjunto para manter e fortalecer o comércio multilateral baseado em regras, disseram representantes dos dois países na terça-feira, concordando em implementar rapidamente a parceria econômica regional abrangente recém-assinada, bem como manter conversações com a Coreia do Sul sobre um acordo comercial de três vias.

O acordo veio depois que o ministro japonês das Relações Exteriores, Toshimitsu Motegi, e seu homólogo chinês, Wang Yi, realizaram discussões em Tóquio, as primeiras conversações presenciais entre representantes do Ministério do Exterior dos dois países em nove meses.

Wang Yi (E) e Toshimitsu Motegi (D) bateram os cotovelos no início de suas negociações em Tóquio em 24 de novembro | ©Reuters

Os dois lados também concordaram em reabrir suas fronteiras bilateralmente para viagens de negócios até o final deste mês, um movimento para estimular a atividade econômica crucial que foi interrompida pela pandemia do Covid-19.

Eles também aprovaram viagens de negócios de curto prazo e estadias de longo prazo para expatriados. O acordo deveria ter sido feito em outubro, mas foi adiado devido ao aumento de novos casos de coronavírus no Japão. As infecções também aumentaram na China.

Apesar do clima amistoso, não foi tocada a questão de uma visita de Estado ao Japão pelo presidente chinês Xi Jinping, que foi adiada mais cedo devido à pandemia, de acordo com o lado japonês.

Em uma coletiva de imprensa após a reunião, Wang disse: “China e Japão devem aumentar a confiança mútua e se envolver em interações positivas para construir relações bilaterais que atendam aos requisitos da nova era”.

“Ambos os países concordaram em trabalhar em conjunto para promover a recuperação econômica […] realizar uma nova rodada de diálogo econômico de alto nível em um momento apropriado no próximo ano”, acrescentou Wang.

Disputa territorial

Os dois lados não conseguiram curar a fenda sobre as Ilhas Senkaku, as ilhotas administradas pelos japoneses no Mar da China Oriental, chamada pelos chineses de ilhas Diaoyu.

RELACIONADO
Biden reafirma apoio ao Japão em disputa territorial com a China

Motegi disse que “instou fortemente a China a tomar medidas positivas” sobre os navios do governo chinês que entram em águas territoriais japonesas ao redor dessas ilhas.

Wang ressaltou que a China continuará a proteger sua soberania das ilhotas e pediu ao Japão que se abstenha de ações que compliquem a situação em águas sensíveis.

Segurança e direitos humanos

“Os dois países se esforçarão para lançar a linha direta sob o mecanismo de contato marítimo e aéreo entre seus departamentos de defesa dentro deste ano, a fim de fortalecer a gestão e o controle de riscos e aumentar a confiança mútua de segurança”, disse Wang.

Motegi, por sua vez, expressou a “preocupação” do Japão com as questões de direitos humanos em Hong Kong, e pressionou a China a proteger os muçulmanos uigures na região de Xinjiang e dos cidadãos japoneses detidos na China.

Aquecimento global e restrição de importações

Japão e China também concordaram em criar um fórum para discutir políticas de combate ao aquecimento global.

Motegi solicitou que a China retirasse as restrições de importação de alimentos japoneses que foram impostas após o terremoto de 2011 e o desastre nuclear no nordeste do Japão. Os dois lados concordaram em discutir o assunto mais tarde.

Melhorando laços

Wang está visitando o Japão e a Coreia do Sul. Para ambas as nações, a China é o maior parceiro comercial. Na esperança de evitar discórdia com Pequim na frente econômica, Tóquio procurou melhorar os laços propondo cooperação em áreas como o comércio.

Depois que o Japão e a China assinaram o RCEP, o pacto comercial de 15 membros que abrange o leste da Ásia, em 15 de novembro, alguns meios de comunicação chineses pediram negociações sobre um acordo de livre comércio entre China, Japão e Coreia do Sul.

Nas últimas semanas, a China indicou que espera aprofundar a cooperação econômica com o resto da Ásia, incluindo o Japão. Na sexta-feira, Xi disse que a China “considerará favoravelmente a adesão ao Acordo Abrangente e Progressista para a Parceria Trans-Pacífico”, o pacto comercial que incluía os Estados Unidos antes da administração do presidente Donald Trump sair do acordo.

Na última reunião dos ministros das Relações Exteriores, o lado chinês trouxe à tona a cooperação econômica bilateral várias vezes, incluindo as importações de alimentos japoneses.

O Japão pretende manter a China sob controle em questões de segurança, enquanto a China busca laços mais estreitos com o Japão em questões econômicas, uma vez que o país é um dos maiores importadores de produtos do Japão.

Mas, para Tóquio, ganhar uma vantagem em ambas as frentes através da diplomacia se mostra difícil, principalmente porque há grandes chances de que as relações EUA-China possam deteriorar ainda mais e, se isso acontecer, esses dois rivais podem vir a pressionar o Japão a escolher um lado.

Mundo-Nipo (MN)
Fontes: Nikkei Ásia | Agência Kyodo.

Atualizado em 03/12/2020.

  • 73
  •  
  •  
  • 1
  •  
  •  
  •  
  •  
    74
    Shares