Notícias

Bolsa de Tóquio sobe, mesmo com PIB ruim do Japão

O índice Nikkei avançou 36,43 pontos.

Do Mundo-Nipo

A Bolsa de Valores de Tóquio fechou em alta nesta segunda-feira (8), ignorando o relatório fraco sobre geração de empregos dos Estados Unidos, divulgado na sexta, bem como a revisão para baixo do Produto Interno Bruto do Japão, revelado hoje.

O Nikkei, principal índice japonês, ganhou 36,43 pontos, alta de 0,23%, encerrando o dia aos 15.705,11 pontos. O volume das transações, no entanto, foi baixo durante a sessão, chegando ao menor patamar em dez dias, em meio aos feriados na China, na Coreia do Sul e em Taiwan.

As ações mostraram reação discreta após o Departamento de Trabalho dos EUA informar que o país gerou apenas 142 mil vagas em agosto, bem abaixo dos 225 mil postos esperados. Antes da abertura em Tóquio, o PIB japonês no segundo trimestre foi revisado de uma contração de 6,8% antes calculada para um recuo de 7,1%, na comparação anual.

O estrategista Toshihiko Matsuno, da SMBC Friend Securities, disse que os mercados americanos receberam os dados mais recentes com otimismo. “Mesmo o dado ruim de emprego terminou sendo interpretado como um provável sinal de que o banco central dos EUA não acelerará logo o fim de seu programa de estímulos”, afirmou ele. “No lado do Japão, a revisão do PIB também fortalece as expectativas de que o Banco do Japão dê mais assistência para manter a economia caminhando.”

Além disso, o economista apontou que o dólar seguiu acima de 105 ienes, o que é positivo para as companhias exportadoras japonesas e deve elevar suas previsões de receita. SoftBank subiu 2,1%, depois do anúncio de que comprará uma fatia de 34% do Alibaba Group Holdings, e Ricoh ganhou 1,5%, após o jornal “Nikkei” informar que ela começou a desenvolver uma impressora 3-D que planeja comercializar no ano fiscal de 2016.

(Com informações do jornal Valor Econômico e agência Kyodo)

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*