Política

Governo japonês discute rumores sobre fantasma na residência oficial do primeiro-ministro

Não é a primeira vez que se fala de fantasmas na residência oficial do primeiro-ministro.

Do Mundo-Nipo

Shinzo Abe, Primeiro-ministro japonês (Foto: AFLO)

Shinzo Abe, Primeiro-ministro japonês (Foto: AFLO)19

O governo japonês negou nesta sexta-feira os rumores de que a residência oficial do primeiro-ministro Shinzo Abe é assombrada, após um questionamento de um membro da oposição.

Ken Kagaya, membro do Partido Democrático do Japão (PDJ), principal partido oposicionista, questionou o parlamento sobre se os rumores de que o prédio é assombrado são verdadeiras, uma vez que o premiê ainda não mudou-se para residência oficial desde dezembro, quando assumiu o cargo.

“Nós não estamos cientes de quaisquer fantasmas”, declarou em resposta escrita o Governo.

“É verdade que há muitos boatos”, disse o chefe de Gabinete Yoshihide Suga, em entrevista coletiva. Pressionado sobre quando Abe se mudaria para a residência oficial, Suga apenas disse querer que “ele funcione no ambiente mais favorável”.

O prédio está situado no coração de Tóquio, a poucos metros do Parlamento. Os boatos são de que o fantasma de um jovem militar do Exército Imperial japonês, que participou do golpe de Estado fracassado do dia 26 de fevereiro de 1936, vaga pelos corredores do local.

No primeiro mandato de Shinzo Abe como premiê do Japão, ele demorou 61 dias para ocupar o prédio.

Não é a primeira vez que se fala de fantasmas no prédio. O ex-primeiro-ministro Junichiro Koizumi  antes de entrar na residência oficial pediu a um sacerdote xintoísta que realizasse um ritual de purificação do local, apesar de ter assegurado à imprensa que não havia fantasma algum.

As informações são da agência Kyodo.

 

Para saber mais sobre Política, clique em mundo-nipo.com/politica. Siga também o Mundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.

Comentários

Deixe de comentário

*