Notícias

Vulcão no centro do Japão entra em erupção

Foto: Observatório Asama Mt.

Agência pede que a população não se aproxime do vulcão no Monte Asama, que abrange as prefeituras de Nagano e Gunma.

O Monte Asama, na região central do Japão, entrou em erupção na noite desta quarta-feira (hora local), informou a Agência Meteorológica do Japão, segundo a Kyodo News, acrescentando que não houve danos imediatos.

A JMA emitiu um alerta de nível 3, em uma escala que vai até 5, alertando para que a população não se aproxime do vulcão.

A agência também recomendou atenção sobre possíveis quedas de rochas e fluxos piroclásticos em um raio de cerca de 4 km da cratera.

A erupção ocorreu por volta das 22h (10h no horário de Brasília) e a fumaça misturada com cinza vulcânica subiu cerca de 1.800 metros acima da cratera. A erupção durou cerca de 20 minutos.

A cidade de Karuizawa, em Nagano, fechou os pontos de partida de duas trilhas até o Monte Asama, localizado a cerca de 140 quilômetros a noroeste de Tóquio.

As cinzas vulcânicas podem atingir as prefeituras de Gunma, Nagano e Niigata, alerta a JMA.

Logo após a erupção, o governo japonês criou uma unidade de ligação no centro de gerenciamento de crises do gabinete do primeiro-ministro Shinzo Abe.

VEJA TAMBÉM
Estudo simula consequências da temida erupção do Monte Fuji
Mais de 20 vulcões no Japão apresentam risco de erupção, diz agência
Monte Asama

O Monte Asama está localizado no centro de Honshu, a principal ilha do Japão. O monte tem o vulcão mais ativo da região.

Chamado também de vulcão Asama, ele atinge a altitude de 2.568 metros e situa-se na fronteira entre as prefeituras de Gunma e Nagano, no centro do arquipélago.

O Japão é o lar de mais de 100 vulcões ativos. Isso porque o arquipélago é localizado no chamado Círculo de Fogo do Pacífico (ou Anel de Fogo), uma área formada no fundo do oceano por uma grande série de arcos vulcânicos e fossas oceânicas, coincidindo com as extremidades de uma das maiores placas tectônicas do planeta.

MN – Mundo-Nipo.com
Fonte: Kyodo News.