Natureza

Baleia morta é rebocada após ficar nove dias encalhada em cais no Japão

A baleia de 22 metros teria morrido antes de encalhar sob o cais do porto de uma fábrica em Ichihara, na província de Chiba.

Do Mundo-Nipo

Baleia morta é retirada de cais do porto de uma fábrica em Chiba (Foto: Kyodo)

A baleia foi puxada do cais por um trator (Foto: Kyodo)

Uma baleia putrefata de 22 metros, que ficou encalhada por quase duas semanas sob o cais de uma fábrica em Ichihara, na província de Chiba, foi rebocada nesta segunda-feira (5) para uma praia na capital da província, onde será enterrada, informou a imprensa japonesa.

“É raro uma baleia deste tamanho ficar à deriva na baía de Tóquio”, disseram os funcionários da prefeitura de Chiba, que não tem certeza sobre a espécie de baleia que estão lidando devido ao avançado estado de decomposição em que se encontra o animal, de acordo com o jornal The Japan Times.

A gigantesca baleia foi encontrada presa sob o cais no dia 27 de julho e, na tarde desta segunda-feira (hora local), um trator conseguiu puxar a pesada carcaça de baixo do cais após um mergulhador envolver duas cordas ao redor do mamífero, que presume-se ter morrido a duas semanas ou mais. Todo o processo levou cerca de duas horas, de acordo com a agência Kyodo.

Depois de ser retirada do cais, a baleia então foi rebocada para uma praia no distrito de Mihama, na cidade de Chiba, onde as autoridades planejam enterrá-la.

 

Baleia morta encalha em cais na província de Chiba (Foto: Kyodo)

Moradores das proximidades reclamaram do terrível mau cheiro que o animal exalava (Foto: Kyodo)

 

O governo local informou que recebeu diversas reclamações de residentes devido ao terrível mau cheiro que o corpo em decomposição do gigantesco animal estava exalando pelas proximidades.

 

Veja mais notícias sobre Natureza em mundo-nipo.com/variedades/natureza . Siga também oMundo-Nipo no Twitter e Facebook.

 


Mundo-Nipo. Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização escrita do Mundo-Nipo.com. Para maiores esclarecimentos, leia a Restrição de uso.