Culinária

Receita de sopa de missô: missoshiru

Foto: EXPJA/Yuka

Além de saboroso, o misoshiru é rico em proteínas e ajuda prevenir vários tipos de doenças, inclusive o câncer.

Atualizado em 20/06/2018


Os japoneses não vivem sem o gohan (arroz japonês), como também não vivem sem uma sopa de missô, popularmente conhecida como misoshiru ou missoshiru. É comum no Japão as refeições serem acompanhadas desse caldo que, além de saboroso, é rico em proteínas, reduz o colesterol ruim (LDL) e ajuda na prevenção de diversos tipos de câncer.

A versão mais comum entre os ocidentais é preparada somente com tofu e cebolinha, mas os japoneses adicionam vegetais, cogumelos, macarrão (bifun), frutos do mar e carnes, além de konbu e temperos como dashi, niboshi, etc.

Enfim, existem diversas maneiras de preparar uma sopa de missô, mas vamos à receita clássica, com apenas o tofu e a cebolinha, além do missô.

Ingredientes (para 4 porções)

1 litro de água
2 colheres (sopa) de missô (miso)
1 pitada de hondashi
aji-nomoto (opcional)
100 g de tofu cortado em cubos
1 xícara (chá) de cebolinha picada

Modo de preparo

1 Em uma panela coloque a água, o missô, o hondashi, o aji-nomoto  e leve ao fogo, deixando até que comece a soltar bolhas. Apague o fogo antes de ferver ( Reserve).
*Atenção: Ferver o missô deixará o caldo viscoso semelhante à cica, portanto, é imprescindível apagar o fogo antes de ferver.

2 Coloque os cubos de tofu e as cebolinhas, dividindo a quantidade igualmente em quatro tigelas de sopa, de preferência que sejam “Owan” (tigelas japonesas próprias para consumir caldos).

3 Despeje o preparo do caldo igualmente em quatro tigelas pequenas. Sirva quente.

Dicas e curiosidades
Tradicionalmente, o misoshiru tem que ser consumido bem quente, logo depois de preparado. A maioria dos japoneses tomam misoshiru com os pauzinhos (hashi) utilizados como talheres pelos asiáticos. Eles levam o owan até a boca e sugam o líquido, pegando os ingredientes com o hashi.

Muitos acham que as louças japonesas tchawan e Owan são iguais ou tem as mesmas finalidades. Porém, o tchawan é cônico e próprio para consumir arroz (gohan). Já o Owan é mais arredondado e apropriado para consumir quantidades pequenas de caldos – observe a diferença de ambos na foto acima. Essas tigelas podem ser produzidas com diversos tipos de materiais: porcelana, cerâmica, madeira, vidro, melamina, entre outros.

A palavra misoshiru significa caldo de soja. Na verdade, são duas palavras formando uma e o correto seria escrevermos miso-shiru. A tradução para “miso” é soja e para “shiru” é caldo.

Os japoneses não costumam colocar sal no misohiru, principalmente porque o missô já é salgado. Contudo, os ocidentais preferem sentir o gosto mais forte do sal. Mas, atenção, caso prefira colocar sal, a pitada tem de ser bem leve.

QUER TRABALHAR NO JAPÃO?

O recrutamento no Brasil é feito pela “In Time Tour Human Resouces Company”, empresa com mais de 11 anos de atuação nesse mercado e conta com o credenciamento de 50 empreiteiras japonesas. O interessado(a) em trabalhar no Japão recebe um leque de suporte da In Time Tour, tal como como visto japonês gratuito, financiamento de passagem aérea e muito mais.
*Atenção, o candidato(a) tem que ser brasileiro(a) com ascendência japonesa ou cônjuge – casais com filhos também são aceitos.

Clique no link abaixo, preencha o mini-formulário e garanta já a sua vaga:
» http://www.intimetour.com.br/empregos-no-japao/formnovo.php?recrutador=maria
* Ao preencher o mini-formulário, o candidato(a) será contactado por um recrutador da In Time Tour (no prazo máximo de 2 dias) e terá opções de empregos em fábricas que atuam em vários setores e localizadas em diferentes regiões do Japão.

*Faça parte do grupo “De volta para o Japão II” e concorra a prêmios:
» https://www.facebook.com/groups/devoltaaojapaoII/

Comentários