Notícias

Dólar fecha em alta mesmo com intervenção do BC

O Banco Central interveio no câmbio após o dólar saltar quase 2,5% na véspera.

O dólar fechou em leve alta frente ao real nesta sexta-feira (2), mesmo com Banco Central voltando a interferir no câmbio diante do forte salto da moeda no dia anterior, com os investidores ainda cautelosos diante da situação política no Brasil.

A moeda norte-americana subiu 0,12%, cotada a R$ 3,4726 para venda, após chegar a ser vendida por mais de R$ 3,48 no dia.

Nas últimas duas últimas sessões, o dólar acumulou alta de 2,52% e fechou a semana com valorização acumulada de 1,73% sobre o real. No ano, porém, há queda de 12,04%.

Os investidores continuavam preocupados com a política e com a economia brasileira. A proximidade do final de semana, para quando estão previstas manifestações contra a corrupção, manteve o mercado atento.

O cenário político voltou a ser motivo de preocupações após a queda de mais um ministro (Geddel Vieira Lima, ex-ministro da Secretaria de Governo) do presidente Michel Temer na semana passada. Também preocupava o desentendimento entre Judiciário e Legislativo após mudanças nas medidas anticorrupção.

Esse cenário conturbado pode dificultar a aprovação de importantes medidas econômicas do governo no Congresso Nacional. Além disso, há preocupação com o conteúdo das delações premiadas de executivos da Odebrecht.

Atuações do Banco Central
Depois de várias sessões fora do mercado (desde 22 de novembro), o Banco Central brasileiro voltou a atuar no mercado de câmbio.

Nesta sessão, o BC fez leilão para adiar o vencimento de contratos de swaps cambiais tradicionais – que equivalem à venda de dólares no mercado futuro.

A operação foi para tentar conter a alta da moeda norte-americana, que ontem saltou 2,39% e fechou a R$ 3,4685 para venda, maior cotação desde o dia 16 de junho, quando o dólar alcançou R$ 3,4700.

Mercado externo
O dólar também foi influenciado pela divulgação, nesta sexta-feira, de dados sobre o mercado de trabalho nos Estados Unidos.

Os empregadores norte-americanos aumentaram as contratações em novembro e a taxa de desemprego caiu para o menor nível em mais de nove anos, a 4,6%. No entanto, houve queda na renda do trabalhador.

Os números reforçaram as expectativas de que o Federal Reserve (Fed, banco central norte-americano) deve subir os juros na reunião deste mês.

Juros mais altos nos EUA poderiam atrair para lá recursos atualmente investidos em outros países onde os rendimentos são maiores, como é o caso do Brasil.

Fontes: Agência Reuters | UOL Economia.

Comentários