BC do Japão considera elevar meta de inflação para 3% no ano fiscal de 2023

A revisão em alta reflete a crescente alta dos preços no mercado interno, a super valorização do petróleo e a fraqueza do iene.
Sede do Banco do Japão em Tóquio | ©Depositphotos
Sede do Banco do Japão em Tóquio | ©Depositphotos

O Banco do Japão (BOJ, banco central japonês) está considerando aumentar a sua perspectiva de inflação para o atual ano fiscal, que termina em março próximo, para perto de 3% ante os atuais 2,5%, disseram fontes próximas do assunto à Agência Kyodo.

A revisão em alta pretende refletir os aumentos de preços que se têm ampliado mais do que o esperado e o aumento dos preços do petróleo bruto, disseram as fontes, com a desvalorização do iene também impulsionando os preços de importação.

O BC japonês está programado para divulgar um novo relatório sobre perspectivas econômicas e de preços no final de uma reunião de política monetária de dois dias até 31 de outubro.

Durante a próxima reunião de definição de política, o Conselho de Política examinará as perspectivas de inflação e a necessidade de persistir com taxas ultra baixas.

O índice de preços no varejo manteve-se num nível elevado, tanto para os principais fabricantes como para os não fabricantes, na última pesquisa empresarial Tankan, divulgada no início de outubro, uma vez que as empresas têm aumentado os preços para repercutir os custos mais elevados.

O banco central japonês afrouxou o controle sobre as taxas de longo prazo em julho, permitindo que os rendimentos das obrigações do governo a 10 anos subissem para 1,0%.

O ajuste teve como objetivo, em parte, preparar-se para riscos ascendentes para a inflação, permitindo que os rendimentos das obrigações refletissem melhor os fundamentos econômicos.

O presidente do BOJ, Kazuo Ueda, disse que a decisão também foi tomada para abordar a volatilidade nos mercados cambiais. Mas ele enfatizou a necessidade de manter a flexibilização monetária, descartando um aumento das taxas no curto prazo.

De acordo com as estimativas atuais, os preços básicos ao consumidor, excluindo os preços voláteis de alimentos frescos, ficarão abaixo da meta de 2% do Banco do Japão nos exercícios fiscais de 2024 e 2025.

Espera-se que os legisladores do BOJ avaliem o impacto da revisão fiscal acima das perspectivas para 2023 nos próximos dois anos, disseram as fontes.

O BOJ afirmou que a “meta de inflação não será alcançada sem um crescimento salarial sustentável”.

Ainda assim, o núcleo do Índice de Preços ao Consumidor (IPC) manteve-se acima dos 2% durante mais de um ano, devido, em grande parte, ao aumento dos custos de importação que foram inflacionados por um iene mais fraco.

O principal indicador da inflação aumentou 3,1% em agosto em relação ao ano anterior e os analistas esperam que aumente algo entre 2,5% e 3% no ano fiscal de 2023.

O Banco do Japão fez uma série de revisões em alta nas suas perspectivas de inflação para o ano fiscal de 2023.

O núcleo do IPC foi inicialmente projectado para aumentar 1,6% a partir de janeiro, mas foi elevado para 1,8% em abril e depois para 2,5% em julho.

A economia do Japão cresceu a uma taxa real anualizada de 4,8% entre abril e junho.

Espera-se que o Banco do Japão considere uma revisão em alta das perspectivas de crescimento econômico para o ano fiscal de 2023, a partir da atual expansão de 1,3% no Produto Interno Bruto, disseram as fontes.

== Mundo-Nipo (MN)
Com autorização da Kyodo
Foto: Depositphotos

Total
0
Shares
Related Posts