Notícias

Japão prorroga prisão de Carlos Ghosn até 11 de janeiro

Carlos Ghosn | ©Thomson-Reuters

Justiça japonesa considera necessário mais tempo para decidir se indicia Ghosn com novas acusações.

O Tribunal Distrital de Tóquio decidiu nesta segunda-feira (31) prolongar por mais 10 dias, até 11 de janeiro, a prisão preventiva do ex-presidente da Nissan Motor, Carlos Ghosn, por suspeita de abuso de confiança.

O juiz aceitou o pedido do promotor, que considerou necessário mais tempo para decidir se indicia Ghosn com essas novas acusações, disse o tribunal.

De acordo com a agência Reuters, as ligações para o escritório do advogado de Ghosn, Motonari Otsuru, não foram respondidas nesta segunda, um feriado não oficial no Japão.

Já um porta-voz da Nissan disse que a montadora não faria comentários.

Saiba mais
» Japão anuncia nova acusação contra Ghosn
» Japão indicia Nissan e prorroga prisão provisória de Ghosn
» Aliança Renault, Nissan e Mitsubishi é reafirmada em Amsterdãn
» Japão nega pacto com França de manter atual poder da Nissan-Renault
» Mesmo preso, Ghosn é mantido na presidência da Renault
» Executivo da Nissan preso no Japão sonegou mais de R$ 160 milhões

A decisão de prolongar a prisão de Ghosn ocorre um dia antes de seu período de 10 dias de detenção expirar na terça-feira, e acontece após a liberação do ex-executivo da Nissan Greg Kelly sob fiança na semana passada, depois que um tribunal decidiu pela não-extensão da prisão enquanto ele aguarda julgamento.

Ghosn foi preso em 19 de novembro, no Japão, sob a acusação de ocultar pagamentos milionários e cometer irregularidades fiscais.

Entre as várias acusações, o executivo é acusado de ter empurrado para a Nissan um prejuízo de US$ 16,8 milhões em investimentos particulares, de acordo com a France Presse.

Do Mundo-Nipo
Fontes: Reuters | France Presse.